Sábado, 4 de Julho de 2009

O Labirinto

A minha infância foi povoada de histórias, umas mais fantásticas, outras menos. O imaginário das pessoas era rico em histórias de tesouros escondidos, de mouras encantadas, de lobisomens, de bruxas, das sextas-feiras com noites de Lua Cheia, de histórias da boa hora e da má hora,...

Também se falava de castelos encantados e de quem lá ia que nunca mais tornava. E é claro que também havia os labirintos. Quem lá entrava, perdia-se e era uma aventura encontrar a saída.

 

A história do Polegarzinho apareceu mais tarde, que como sabem, para marcar o caminho na floresta deixou cair os miolos do pão que tinha guardado do pequeno-almoço. Mas, os pássaros comeram os miolos e o Polegarzinho e os seus irmãos ficaram perdidos na floresta,... E não conto mais.

 

As histórias de labirintos aparecem mais tarde, com o estudo da História Universal. As mitologias grega e romana são ricas em histórias inverosímeis.  Construiram um edifício complicadíssimo de acontecimentos e de deuses que muitas vezes só os especialistas conseguem decifrar.

Na mitologia grega, Minos, rei de Creta, filho de Zeus e de Europa (portanto um semi-deus), encomendou a Dédalo a construção do Labirinto, onde encerrou o monstro Minotauro, com corpo de homem e cabeça de touro. Este monstro alimentava-se de jovens (7 rapazes e 7 raparigas) que lhe eram anualmente oferecidos, por Minos, em sacrifício. É aqui que entra em cena Teseu, herói grego, que consegue entrar no labirinto, integrado no grupo dos sacrificados. Combate o Minotauro, mata-o e salva os jovens.

Mas como é que ele conseguiu sair do Labirinto?

Minos tinha uma filha chamada Ariadne, que, ao ver Teseu, se apaixona por ele, e, decide ajudá-lo, ensinada por Dédalo, o construtor do Labirinto. Ariadne dá a Teseu um rolo de lã que ele prende à entrada do labirinto e que vai desenrolando até encontrar o monstro e matá-lo. Para sair, basta seguir o fio e encontrar a saída. Quando se fala de labirintos é conhecida a expressão O Fio de Ariadne, como a chave da saída.

É claro que a história não acaba aqui. Minos não gostou que Dédalo, o arquitecto, tivesse ensinado a filha, que por sua vez ensinou Teseu a sair do labirinto e encerrou-o a ele e ao seu filho Ícaro no labirinto.

E agora começa outra história que acaba com a morte de Ícaro afogado no mar Egeu, quando as suas asas de cera se derreteram por se ter aproximado demasiado do sol. A ambição desmedida também tem os seus castigos.

 

É claro que encontrar o caminho de saída de um labirinto pode não ser uma tarefa fácil.

 

O desafio que vos proponho é exactamente encontrar o caminho de saída do labirinto, a partir da sala central, assinalada com a letra C.

 

palavras-chave:
publicado por Frantuco às 13:29
link do artigo | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.artigos recentes

. O Labirinto

.arquivos

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Junho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.palavras-chave

. todas as tags

.links

.Contador

Expedia
Expedia Discount Travel